Bebê de sete meses morre após estupro em Uberlândia; padrastro está preso

Um homem de 25 anos foi preso, na tarde deste sábado (12), suspeito de estuprar um bebê de sete meses de idade, no bairro Laranjeiras, zona sul de Uberlândia. A criança morreu em decorrência dos ferimentos sofridos durante o crime.

De acordo com a Polícia Militar, o homem era padastro da menina e vivia com a mãe há cerca de três meses. A mulher estava no trabalho no período da tarde, quando teria recebido uma ligação do suspeito, dizendo que o bebê não estava respirando e que iria se deslocar para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Sul, no bairro São Jorge.

Ainda segundo a PM, a mulher foi para a UPA Sul, mas não os encontou e acabou indo para casa. Após chegar na residência, a mãe teria constatado que a criança não respirava e voltado para a unidade de saúde junto do companheiro. No local, os médicos constaram a morte da criança. No laudo médico, consta que o bebê teve afundamento do crânio e que houve penetração vaginal e anal durante o ocorrido. A equipe médica acionou os militares.

O homem foi preso por estar sozinho com a criança no momento do crime e apresentar atitudes suspeitas, segundo a PM. Ele foi encaminhado para a 148ª Companhia da Polícia Militar, no bairro São Jorge. De acordo com o sargento Alves, que participou do prisão, o suspeito não assumiu ter estuprado a menina e alegou que ela teria caído do sofá. O militar também informou que a mãe deixava o bebê com uma babá, mas neste sábado a profissional teria viajado. Por esse motivo, a criança estaria com o padastro.

No fim da tarde, o homem foi direcionado para a Delegacia de Plantão da Polícia Civil, onde será ouvido na noite deste sábado (12). O suspeito tem passagem no sistema policial por tráfico de drogas.
(Fonte: Correio de Uberlândia)

ANUNCIE AQUI e apoie essa causa!

Publicações relacionadas

  • Meus pais de divorciaram litigiosamente quando eu tinha 11 anos de idade. Minha irmã estava com 10. Após o divórcio meu pai iniciou o pagamento de pensão alimentícia pra mim e para minha irmã. Minha madrasta resolveu que meu pai deveria pedir a nossa guarda na Justiça para nos tirar de nossa mãe e entraram com um Processo na Justiça. Resumo: Minha guarda ficou com meu pai e minha irmã com minha mãe.
    Minha madrasta então engravidou e fez meu pai me colocar num internato PARTICULAR, a 100 km de casa, e eu no internato passei a fumar cigarros, usar drogas, virei uma criança problema. Nunca mais voltei a morar com minha família. Quando saí do internato meu pai me colocou na casa de vários amigos. Meu pai é um homem muito famoso, foi eleito Deputado Estadual no Rio Grande do Sul. Na época que saí do internato eu estava com 12 para 13 anos e minha madrasta não queria eu por perto pois tinha ganhado um filho, meu atual irmão, o Advogado Bruno Roberto Neher Filho. Meu pai, Bruno Roberto Neher, dono do COnjunto Os 3 Xirus, começando a fazer muito sucesso na época, meu viu como um empecilho e pedia aos amigos para me cuidar. Fiquei alguns meses na casa do Alemãozinho da Cordeona, depois junto com a família do Roberto Mendes (irmão do famoso José Mendes), enfim, meu pai ia me soltando com os amigos dele enquanto minha madrasta ia criando seu filho com ele com tranquilidade e segurança, enquanto meu pai crescia em sucesso e financeiramente. E eu fui seguindo um caminho tão obscuro, que sequer consigo me lembrar tudo que passei para explicar aqui para vocês pois não lembro o que passei, nem o que fiz. Sei que hoje, tenho 49 anos de idade, passei por mais de 25 internações em clínicas psiquiátricas e fazendas de recuperação para drogados, sou portador de Esquizofrenia Paranóide com Delírios Persecutórios, já cortei os pulsos tentando o suicídio, sou portador de HIV/AIDS e tomo um coquetel e estou hoje sem condições de sequer pagar minha conta de luz mensal. E meu pai, Disco de Ouro na parede, DVD dde 50 anos lançado esse ano pela Gravadora Vertical, minha madrasta aposentada, com todos os filhos dela com meu pai criados, inclusive com uma filha adotiva que aparece abraçada e muito feliz nas fotografias no facebook com meu pai, que vive com meu pai, na casa de meu pai, meus meio-irmãos não paga aluguel, não tem gastos com alimentação, um de meus meios irmãos é advogado formado, o outro músico famosos e toca no conjunto com meu pai e mora com ele, não tem gasto nenhum para sobreviver. E eu, aqui com HIV/AIDS, com um CD4 baixo, com alta carga viral, tomando um coquetel. E vou morrer sozinho sem direito a nada?Porque minha madrastas soube organizar-se? Porque meu pai fui um frouxo e se deixou manipular por ela? Porque meu pai me odeia? Sei que usei drogas, que o envergonhei, que fiz muitas coisas erradas na minha vida por causa das drogas. Entretanto, não uso mais. Tenho livros publicados contra as drogas, faço palestras gratuitas quando me chamam, ajudo as pessoas. Meus direitos autorais desses livros não chegam a 150 reais por mês, não dá nem para pagar minha conta de luz. Estou desesperado. Será que posso processar minha madrasta por ter induzido meu pai ao erro? Será que posso processar meu pai por abandono afetivo? Afinal, vou morrer mesmo, não tenho nada a perder….Se abrir um processo contra meu próprio pai ajudar outros pais a não abandonarem seus filhos eu toparia fazer isso!
    Literalmente falando eu sou o que ? O resultado do abandono afetivo de um pai?
    Sou a prova viva de que abandono afetivo leva uma pessoa a passar por coisas horríveis, a virar homossexual, a usar drogas, a pegar HIV e a morrer sozinho?
    Só queria saber o que é que eu sou…..
    Sou simplesmente a futura peça de um processo penal de uma vara familiar?
    O que é que eu sou? Só queria perguntar isso a você…
    Se eu disser que sou filho de um homem famoso e que fui abandonado por ele quando tinha 11 anos num internato particular e desde então nunca mais morei com ele porque minha madrasta não queria eu por perto…estarei fazendo o que? DENEGRINDO A IMAGEM DE MEU PAI. AINDA SEREI PROCESSADO PELO MEU PRÓPRIO MEIO-IRMÃO POR DENEGRIR MEU PAI E SUA IMAGEM PÚBLICA. E PROVAVELMENTE AINDA CONTINUAREI SEM CONDIÇÕES DE PAGAR MINHA CONTA DE LUZ, SEM PODER ME VESTIR E ME ALIMENTAR COM DIGNIDADE, E SEREI EXECRADO PUBLICAMENTE POR QUE NÃO FIQUEI CALADO. PROVAVELMENTE AINDA SEREI DESERDADO. E JÁ ME AMEAÇARAM FAZER ISSO.
    meu pai já me pagou pensão alimentícia durante um tempo, mas meu meio-irmao, adovogado conseguiu me tirar a pensão…hoje estou mais doente ainda….na época meu meio-irmão e minha madrasta fizeram meu pai interromper os pagamentos, saiu ordem de prisão contra ele, deu um escândalo n TV….e hoje eles tem motivos para me deserdarem!
    segundo eles, é isso que vai acontecer comigo se eu entrar na Justiça de novo….como se eu me importasse se vou ou não ser deserdado….nunca fui ajudado em nada mesmo….